NEFRITE LÚPICA

WhatsApp Image 2018-03-23 at 16.06.10
FUROSEMIDA – INDICAÇÕES E EFEITOS ADVERSOS
março 23, 2018
WhatsApp Image 2018-05-21 at 12.10.03
Exames de imagem em Nefrologia
maio 21, 2018

NEFRITE LÚPICA

WhatsApp Image 2018-05-07 at 17.30.33

A nefrite lúpica surge quando o lúpus eritematoso sistêmico, que é uma doença autoimune, afeta os rins, provocando inflamação e lesões nos pequenos vasos responsáveis por filtrar as toxinas do organismo. Dessa forma, o rim deixa de conseguir funcionar normalmente e surgem sintomas como sangue na urina, pressão alta ou dor constante nas articulações, por exemplo.

Embora seja uma complicação grave do lúpus, a nefrite pode ser controlada com o tratamento adequado e, por isso, é muito importante que pessoas que sofrem com lúpus façam consultas e exames regulares para avaliar a presença de complicações. Quando não é tratada adequadamente, a nefrite lúpica pode provocar insuficiência renal.

 

Principais sintomas

 

Os sintomas da nefrite lúpica podem variar muito de pessoa para pessoa, no entanto, os mais comuns são:

  • Sangue na urina;
  • Urina com espuma;
  • Inchaço excessivo das pernas, pés, rosto ou mãos;
  • Dor constante nas articulações e músculos;
  • Aumento da pressão arterial;
  • Febre sem causa aparente;

Quando se tem lúpus e surgem um ou mais destes sintomas, é muito importante consultar o médico que está fazendo o tratamento da doença, para que ele faça exames como teste de urina ou exame de sangue e confirme a presença, ou não, da nefrite, iniciando o tratamento.

Em alguns casos, pode até ser necessário fazer uma biópsia do rim para confirmar o diagnóstico. Para isso, o médico aplica anestesia no local e, utilizando uma agulha, remove um pedaço de tecido do rim, que depois é analisado em laboratório.

 

Como é feito o tratamento

 

O tratamento da nefrite lúpica normalmente é iniciado com o uso de remédios, receitados pelo médico, para diminuir a resposta do sistema imune e diminuir a inflamação nos rins. Alguns desses medicamentos são corticóides, como a Prednisona ou imunosupressores, como a Ciclofosfamida ou Hidroxicloroquina, por exemplo.

Além disso, dependendo dos sintomas, pode ainda ser necessário usar diuréticos para baixar a pressão arterial e para eliminar o excesso de toxinas e líquidos do organismo.

Já nos casos mais graves, em que o lúpus provocou muitas lesões no rim, pode começar a surgir insuficiência renal e, por isso, o tratamento pode envolver o uso de hemodiálise ou, até, transplante de rim.

Classificação e tipos de nefrite lúpica

 

A nefrite lúpica pode ser dividida em 6 classes:

 

  • Classe I: existem alterações muito leves no rim, que pode nem provocar sintomas ou ser identificado no exame de urina;
  • Classe II: pequenas lesões no rim que podem provocar sinais como urina com sangue ou presença de proteínas no exame de urina;
  • Classe III: as lesões afetam menos de 50% dos glomérulos do rim e, por isso, surge uma diminuição da função renal;
  • Classe IV: as lesões afetam mais de 50% dos glomérulos, podendo causar insuficiência renal;
  • Classe V: surgem em apenas 20% dos casos e pode provocar trombose da veia renal ou embolia pulmonar. Mas não geralmente não causa insuficiência renal;
  • Classe VI: é a forma mais avançada da nefrite.

 

A classe da nefrite lúpica é sempre identificada depois da análise de todos os exames, incluindo o resultado da biópsia renal e serve para ajudar o médico a decidir qual a melhor forma de tratamento, para cada caso.

 

Dra. Roberta Pascotto
Dra. Roberta Pascotto
Dra. Roberta Pascotto é médica graduada na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP), pós-graduada em Nefrologia Pediátrica pela Universidade Federal de São Paulo UNIFESP desde 2007. Atualmente é responsável pelo Departamento de Diálise Pediátrica da Santa Casa de Maringá, médica nefropediatra no Hospital Santa Rita, presta atendimento à seus pacientes na Clinica do Rim e responsável pelo ambulatório de nefrologia pediátrica do Departamento de Medicina da UNINGA. Dedica-se á profissão desde 2003, buscando constante aperfeiçoamento e conhecimento na sua área de atuação. A carreira acadêmica, o contato direto com seus pacientes e o dia a dia do setor de diálise trouxeram anos de expertise e vivência clinica, e uma linda história de sucesso profissional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *